sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Garden date


Le Jardin

Des milliers et des milliers d'années
Ne sauraient suffire
Pour dire
La petite seconde d'éternité
Où tu m'as embrassé
Où je t'ai embrassèe
Un matin dans la lumière de l'hiver
Au parc Montsouris à Paris
A Paris
Sur la terre
La terre qui est un astre.

(Jacques Prévert)


The Garden meeting - John Williams

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

A Salamandra



Salamandra-de-fogo, Salamandra comum ou Salamandra-de-pintas-amarelas.
Outros nomes comuns: saramela, saramaganta.


Salamander Pie - Jay Leonhard

Na sequência de outros “posts” acerca da fauna (ver etiqueta) da Mata das Caldas da Rainha hoje é dia da Salamandra. Neste momento é frequente encontrá-las pois é altura em que, após o acasalamento, procuram locais com água para depositarem os ovos e acontece aí ficarem retidas porque caiem em pequenos depósitos de águas pluviais existentes na Mata e depois não conseguem subir a parede de cimento. A da fotografia teve a sorte de ser retirada de uma dessas “armadilhas” (onde já tinha desovado já que se viam os seus girinos a nadar) e pôde regressar ao seu meio “mergulhando” sob as raízes de uma árvore.

Acredita-se que as salamandras estão entre os moradores mais antigos do planeta, pois cientistas já encontraram fósseis com 165 milhões de anos na China e na Mongólia. Actualmente existem cerca de 450 espécies. Podem ser aquáticas ou terrestres, bem como anfíbias. Caçadoras exímias, atacam rapidamente e devoram minhocas, insectos, batráquios, crustáceos e peixes. São atacadas por aves, tartarugas, cobras, peixes ou outros anfíbios. Por isso, costumam ficar escondidas em baixo de pedras ou plantas.
Algumas espécies são muito venenosas. Geralmente são as que têm cores fortes, que mantém os predadores afastados, como é o caso da salamandra de fogo, preta e amarela. O seu veneno queima a pele de pessoas e animais e pode até causar parilisia se entrar na corrente sanguínea. A sua pele pode produzir um alcalóide neurotóxico que provoca convulsões musculares fortes e hipertensão combinada com hiperventilação em todos os vertebrados. As glândulas de veneno da Salamandra de fogo estão concentradas em determinadas áreas do corpo, especialmente à volta da cabeça e na superfície da pele dorsal. As porções de cor da pele do animal, geralmente coincidem com estas glândulas.
Vivem solitárias e produzem uma substância com cheiro para atrair parceiros na época do acasalamento e outra que usam para marcar seu território. Em geral só emitem sons quando querem espantar algum predador.

Entre os vários Mitos acerca deste animal sobressai a sua resistência ao fogo. Inúmeros sábios e filósofos, à frente dos quais estão Aristóteles e Plínio, afirmaram aquele poder de salamandra. De acordo com eles, a salamandra não somente resistia ao fogo, mas conseguia apagá-lo e, quando via a chama, avançava contra ela, como um inimigo que sabia vencer à priori.
Na "Vida de Bevenuto Cellini", artista italiano do século XVI, escrita por ele mesmo, há o seguinte trecho: "Quando eu tinha cerca de cinco anos de idade, meu pai, estando num pequeno quarto, onde estava fogo e madeira de carvalho, olhou as chamas e viu um animalzinho semelhante a um lagarto, que podia viver na parte mais quente do elemento. Percebendo imediatamente do que se tratava, chamou-me e a minha irmã, e, depois de nos ter mostrado a criatura, deu-me um tabefe no ouvido. Caí, chorando, enquanto ele, consolando-me com carícias, disse estas palavras: "Meu querido filho, não te dei este tabefe por alguma coisa errada que tiveste feito, mas para que te lembres que a criaturinha que viste no fogo é uma salamandra, tal qual nenhuma outra foi vista por mim até hoje". Assim dizendo, beijou-me e deu-me algum dinheiro."
À custa desta noção foram chegaram a ser produzidos panos à prova de fogo, que se diziam feitos da pele de salamandra. Veio a constatar-se depois que a substância de que eram feitos era o amianto. Não por acaso se chamam de salamandras a determinado tipo de aquedor para as casas.
O fundamento da lenda acima relatadas parece provir afinal do facto da salamandra realmente segregar pelos poros do corpo um líquido leitoso, que, quando ela se irrita, é produzido em grande quantidade e que pode, sem dúvida, durante alguns momentos, protegê-la contra o fogo. Além disso, a salamandra é um animal hibernante, que, durante o inverno, se refugia em troncos de árvores ou em outra cavidade, e ali permanece em estado de torpor, até que a primavera a desperte de novo. É possível, portanto, que seja levada ao fogo junto com a lenha, onde está inclusa, e só desperte a tempo de recorrer às suas faculdades defensivas. O seu suco viscoso será, então, de todo valor e todos quantos têm assistido a esta situação admitem que ela trata de sair do fogo o mais depressa possível.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Gaivotas em terra...

Fim de tarde. "Avenida da Estação". Caldas da Rainha.


Arrival of birds - The Cinematic Orchestra



quarta-feira, 14 de novembro de 2012

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Please don´t kiss me

In the boat of Silence I´m floating guided by Fate.
As if I were approaching softly from the cove of your arms...
______

Please don't kiss me
But if you kiss me
Don't take your lips
Away

Please don't hold me

But if you hold me
Don't take your arms
Away

Comes a change in weather
Comes a change of heart
And who knows when the rain
Will start?

So I beg you

Please don't love me
But if you love me
Then don't take your lips, or your arms, or your love
Away


Please Don't Kiss Me - Rita Hayworth