sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Labyrinths

Ariadne - Dead Can Dance

*
Life is a fantastic labyrinth

Inside there are other labyrinths

Sometimes when we think we´ve found the way out there is the beginning of another Labyrinth

On our way we (like Ariadne) leave a wire
In search of logic signals
And an answer:
The big one

There are surprises
Bad and good
In all labyrinths
But one labyrinth is different from the others
Is a labyrinth called The House of Love
Where logic is not logical
And where the wire doesn´t work to find the right way

Otherwise we cannot discover a special secret
Waiting somewhere for us
In The House of Love

Only our heart can see it.
If it happens - or not - in The House of Love

The heart knows and recognize the first moment of it
When we meet another one not looking to the wire
But also looking inside the eyes
So each other will know they can live magic moments

So they can bring
Love, Joy and Compassion
To people walking at the same time
Outside The House of Love
In others Labyrinths of Life

Until one day we understand
The day we all find the big answer
When the wire ends and we fly into the stardust
Surrounding what we call the Labyrinth of Life

Then

We really see

It was/is not a Labyrinth
It is an illusion
(VT)
*

11 comentários:

Anónimo disse...

Hoje vou chamar você de "encantador de palavras".Belo poema,linda melodia! :)
Laura Andréa Freitas

Anónimo disse...

Beautiful.... The photo conveys the awesome solitude of the mountains...
Devi Krishna

Anónimo disse...

So Beautiful!!!!
Rosário Fonseca

Anónimo disse...

Beautiful as always....
Manuela Nascimento

Anónimo disse...

Amazing!!!!!!
Elsa Wellenkamp

Anónimo disse...

Bonita "escalada"!!!
Se algum dia tentarmos experimentar representar em palco, o Amor, veremos para alem das multiplas dificuldades iniciais, variadissimas formas que Ele iria tomar....Sendo o tema/mote principal do poema enquadrado no post, irá dar com certeza multiplas "leituras", subjectivas respeitante a experiencia individual de cada um e por isso mesmo respeitavel (...).

Caminhos, encruzilhadas, labirintos, etc, farão sempre parte de um processo, construtivo, criador, que á medida que caminhamos vamos descobrindo que cada vez mais terá menos a ver com o "Amor institucionalizado" caracterizado pela rotina e caducidade do sentimento....- dizem existir varios tipos de amor, talves existam sim diferentes formas de manifestação ..., - um sentimento uno, eterno, em equilibrio perfeito com a razão e o coração, em que o "entusiasmo" e o "respeito" são uma constante - um saber ser e estar de que só os amantes, sabem e sentem.....

Era interessante se fossemos mais "pro-activos" com este como com outros temas que compoeem este blog, podendo partilhar ideias/opiniões, sem medos castradores (...)!!!
Abraço
AC

A. disse...

simplesmente fabuloso!
beijo
A.

Eva Gonçalves disse...

Caro vasco, mais que poeta, saiu-me cá um filósofo!! :) Inspiradas palavras. A foto, fantástica. beijo

Ana Paula Sena disse...

Gostei muito, Vasco!

...tanto mais que a vida é um labirinto, e no caso do amor, o querer percorrê-lo...

Um poema para guardar e reler enquanto se percorre o labirinto - num momento de suave e estimulante repouso.

Um beijinho.

Alice atrás do Espelho disse...

Um excelente post!!! O meu preferido como conjunto Imagem-musica-escrita. Um tema para "desfiar" e ir "desfiando" no labirinto que a vida nos tornou...

Bjs deste lado para um Teseu a fugir a um Minotauro? ;)

VT disse...

Com tanta gente e tantos comentários generosos estimulantes e bonitos fico muito sensibilizado por tanta simpatia.
Bem hajam
VT