segunda-feira, 25 de março de 2013

Les oranges II


O sabor das laranjas de ontem renasceu-me nas laranjas que hoje colhi. Com o mesmo ritual de outrora descasquei devagar com os dedos que depois separaram os gomos e provei com deleite o seu sabor doce acidulado e fresco como se estivesse sentado na calma da sombra de uma árvore até ficar todo impregnado de perfume de laranjas e fosse a correr depois pelo campo até encontrar no outro lado do pinhal outros lábios a saber ao sol e à alegria. 

L´orange - Gilbert Becaud

5 comentários:

Anónimo disse...

Laranjeira, Linda...
Maria Félix

Anónimo disse...

Só de ver cheira bem!
Ana Margarida Noronha Bragança

Anónimo disse...

Até podiam serem muito amargas, mas a magia da narrativa, soube dar-lhes o adoçamento q.b.
Não conhecia A laranja de Gilbert Becaud ( não é bem o s/ estilo), preferindo sem dúvida o " et maintenant".
L.B.

Anónimo disse...

Tem algo de brilhante o contraste!
"Sentem-se" as laranjas.
IM

Kotta1947 disse...

^Quase, quase que me imaginei a apanhar uma laranja. Descascar e sentir- lhe o cheiro. Bjo.