segunda-feira, 22 de novembro de 2010

About trees I


Kronika wypadkow milosnych - Wojciech Kilar 

6 comentários:

teca disse...

Um arranjo da natureza fenomenal!

Que música... a alma agradece tranquila.

Boa semana, querido.

Beijos com carinho.

2 ZEROS disse...

Ao olhar esta fotografia agrava-se o desespero, provocado pela estação Invernosa que se aproxima. A imagem transmite-me a beleza e sofrimento das árvores na Serra debaixo dos fortes ventos.
Elas também sofrem...
Boa semana

Tina disse...

Um recanto especial, onde a árvore parece resistir a uma morte anunciada. Sobreviverá ao Outono que ainda tarda e ao frio Inverno que já se vai anunciando? Há milagres na Natureza e pode ser que ela ainda nos dê uma lição de vida.
Há um plátano que foi cortado na minha rua, que fotografei há dias, que está a renascer a partir do tronco que ficou enterrado, numa lição de resistência que encanta. Quem nos dera tal seiva a correr nas nossas veias, que nos desse a sabedoria de lutar contra as adversidades...
A melodia, em tom imponente, faz um justo tributo a esta bonita imagem.

Anónimo disse...

...ele há o Nascer, o Viver e o Morrer,....em tudo que possamos "olhar", por muito que queiramos "escamutear" a questão....
Se pensarmos um pouco, percebemos facilmente que somos todos mais "perdedores" que "ganhadores", o que não quer dizer que seja pior ou melhor, pura e simplesmente é...., talvez não sejamos educados para valorizar tanto os ganhos, como o fomos para valorizar o que perdemos..., se calhar um sentimento "nato" de "posse" e de "possuir"....
Na Natureza, dizem, nada se perde tudo se transforma, naturalmente, em perfeita "integração".......
Todos sabemos e já sentimos o quanto é dificil fazer o "luto" seja de pessoas queridas/significativas, seja de objectos, seja de situações......., uma dôr que não passa, (transforma-se), mas que temos de aprender a viver com.......

Senti profundamente a musica e fiquei com pena de que não continuasse por mais tempo, curiosamente quase um desejo de a tornar "eterna"...., mas tambem ela acabou.....
Arvore "sêca"/"morta", sem seiva e portanto sem vida, que contrasta com vários tons de verdes e que naturalmente é pertença deste espaço fisico, enquanto assim for....., um cenário e lá atras um caminho ou atalho em Terra....
Abraço
AC

cristina horta disse...

Senti uma plena empatia com esta árvore tão dorida, tão desalentada. Ouvi a musica e um nostálgico conforto tomou conta de mim.
A arte tem o poder de perturbar e de emocionar e imagem/musica puseram-me num mar de lágrimas. Este blog perturba, emociona e é de uma beleza que nos surpreende e nos transforma.Bjs e obrigada Vasco

VT disse...

Obrigado Teca pela sensibilidade. Uma boa semana também.
Obrigado 2Zeros pelas considerações simpáticas a propósito da imagem.
Obrigado Tina pela chamar a atenção acerca das "lições" que a Natureza constantemente nos transmite. A melodia é de facto lindissima - composta e tocada magistralmente por um compositor pouco conhecido do grande público apesar de já ter feito bandas sonoras excepcionais de grandes filmes (como p. ex. Drácula de Bram Stoker).
Obrigado AC pela partilha das suas emoções e reflexões e também por ter sido sensível à beleza da música.
Obrigado Cristina. Fico muito sensibilizado com a tua sensibilidade e sobretudo conhecer as emoções ou o êxtase que a minha foto desencadeou.
Esta é de facto uma paisagem estranha em que a árvore adquire uma forma de corcunda - como um ser também estranho e imponente cujos braços se apoiam no chão. A luminosidade existente, o contraste e o aspecto intrigante com uma forma peculiar foram também motivo para eu fazer esta foto.
Bem hajam
VT