quinta-feira, 2 de julho de 2009

A musa

Ao longe a estátua nua
Solidão de mármore sobre o mar
Décadas de melancolia a desenhar o horizonte
Gotas de orvalho desconhecido brilham nos olhos fechados
Apetece abrir a porta do seu silêncio e partilhar o sonho
VT

Till - Tony Bennett

1 comentário:

São Caixinha disse...

Olá Vasco!

Acabei de reler o seu comentário ao texto da Isabel,e não posso ficar indiferente ás suas simpáticas e generosas palavras sobre os meus desenhos e a minha pessoa! Fico-lhe muito agradecida...agradecida também pelos momentos de magia que últimamente tenho podido usufruir neste seu espaço sempre a transbordar de beleza.Porque a mim me faltam as palavras, tentarei retribuir reconhecida a atenção, com este poema do poeta Holandês, Cees Nooteboom.

This way

It could have been this way:
something filthy longs for something dirty for the morning,

the painted rose
wants to be in the masterpiece.

The small begs for something smaller yet for the road,

the big goes shopping at giant shops.

It is so hard to defend yourself.
You see the butterfly, already bigger by a hand,

you see the flowers plowing soil,
the worm as snake.

This is the weight
that bursts the scales.

To have shared all that
with time as a hairdo,
as a god of short-lived universe.

That, dear friend, is life.
And it is what it was.

Cees Nooteboom


Um beijinho,

São Caixinha