segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Lonely tree at sunset

It Never Entered My Mind
(Lyrics by Lorenz Hart, music by Richard Rodgers)
-
Once I laughed when I heard you saying
That I'd be playing solitaire
Uneasy in my easy chair
It never entered my mind
And once you told me I was mistaken
That I'd awaken with the sun
And ordered orange juice for one
It never entered my mind
You had what I lack, myself
Now I even have to scratch my back myself
Once you warned me that if you scorned me
I'd say a lonely prayer again
And wish that you were there again
To get into my hair again
It never entered my mind
Once you warned me that if you scorned me
I'd say a lonely prayer again
And wish that you were there again
To get into my hair again
It never entered my mind
-
It never entered my mind - Coleman Hawkins and Ben Webster

8 comentários:

J J disse...

Um quadro magnífico, o efeito da nuvem sobre o Sol faz lembrar Turner.

Anónimo disse...

The lonely tree

In this world, though ever so crowded
Many of us always stand yet alone.
Our minds control, but often still wander
Looking for places, just to call home.
In a cold world, where the sun stays distant
Snow blankets the earth, yet warms the core.
The lonely tree, rooted beneath the snow,
Is the lonely being, always wishing for more.
It stays there, still, staring and dreaming
Watching the land before it; wanting to be.
If, to get past the fear, the roots will uplift
Allowing itself to see and be seen.
For now, it remains a single, lonely life form,
Growing through the cold; wishing for heat.
Keeping the thoughts of days yet to come
For springtime will bring it others to meet.

Michael Degenhardt

FC

cx disse...

Gosto da associação da fotografia com as telas Turner que o JJ faz! Sendo Turner um dos meus pintores favoritos não resisto a acrescentar algumas palavras! Para Turner a luz era uma expressão Divina que procurava capturar em inumeras paisagens românticas! Com sucesso,pois não será em vão que é conhecido como "the painter of light"! Sou igualmente de opinião que frequentemente nas paisagens do Vasco se pode apreciar idêntica procura!
Merecido elogio...felicito-o!
São

luisa - fotografia disse...

Diria que contemplar uma árvore é uma oração tranquilizante.
Com toda esta maravilhosa luz não se deve sentir sózinha :)

luisa

Anónimo disse...

Excelente momento fotográfico,resultando numa belíssima "tela" de cor e luz em que uma árvore tem o privilégio de contemplar o esplendor da Natureza.
É uma árvore isolada mas não solitária...
RP

VT disse...

Muito bonita (e ecaixando-se perfeitamente na foto) a poesia que FC nos traz. Apeteceu-me quase colocá-la no próprio "post".
Agradeço ainda ao JJ, à São, à Luísa e à RP as alusões à cor e sobretudo à luz. Sou também um grande admirador das obras de Turner - que sempre me impressionaram muito.
Bem hajam
VT

Anónimo disse...

O Sol,as nuvens,o céu mais ou menos azul,nunca se repetem,oferecem-se assim,dia a dia...esperando o nosso olhar.
Da árvore ecsura(?)nasce a LUZ e o SOM do trompete,nunca a SOLIDÃO!
MV

Anónimo disse...

Este tipo de "solidão" (e não a solidão por abandono), coloca-me frequentemente questões que passam pelo sentimento de "liberdade". Solidão é precisa, é condição necessária para o crescimento interior, a descoberta da "alma", do "espirito" do "eu", etc."Quem não ama a solidão não ama a liberdade,.... Cada um só pode ser ele mesmo inteiramente, apenas pelo tempo em que estiver sózinho,...,cada um sente o que é...."Arthur Schopenhauer, in 'Aforismos para a Sabedoria de Vida". Só a Natureza é Sabia e Livre, mesmo quando se apresenta num emaranhado de diferentes elementos. As grandes sociedades são por isso cada vez mais, menos felizes, sem tempo para o individual. Nós só poderemos ter alguns momentos....., pois se demorarmos no tempo, a solidão poderá passar a patologia...Muito interessante/intrigante o post.
AC